Royale 20 anos: financiamento coletivo busca recursos para comemorar aniversário da ONG

Foto: Ronald Mendes

A Royale Escola de Dança e Integração Social, de Santa Maria, comemora nesta quarta-feira, dia 06 de junho, 20 anos de vida. E por isso, está promovendo uma série de atividades que buscam homenagear as duas décadas de atividades culturais e sociais.

Para marcar o aniversário da Royale, a instituição está preparando um espetáculo comemorativo, que deverá ser realizado no dia 11 de agosto. Além disso, para eternizar a história da ONG, está sendo preparada uma edição especial de uma revista comemorativa, que vai relembrar a história de crianças, adolescentes e professores que passaram pela Royale em todos estes anos de vida.
Ainda para eternizar este momento, a ONG quer trazer mais vida à fachada da sede da instituição, aproveitando a arte e o talento da artista visual Marcela Bautista Nuñez, que fará uma arte inédita para a parede da casa.

Para que tudo isso possa acontecer, a Royale lançou, no início deste mês, uma campanha de financiamento coletivo, que busca receber ajuda na captação de recursos para viabilizar o espetáculo, a nova fachada da sede e a revista comemorativa.

Por meio da plataforma Kickante, a instituição está recebendo apoios desde o dia 1º, que podem partir de R$ 10. Para apoios a partir de R$ 20, estão previstas recompensas e brindes, que vão desde o nome do apoiador na revista comemorativa, a brindes como camisetas e Ecobags, até apresentações de dança em empresas que quiserem contribuir e fazer parte desta história. A ONG tem até o dia 31 de julho para receber apoios.

Para conhecer mais sobre a campanha e colaborar, acesse este link: Royale 20 anos

Mais sobre a Royale

Em 1996, ainda como escola privada, a Royale fez uma oficina gratuita de ballet clássico para crianças pobres de uma escola da rede municipal de ensino de Santa Maria. Esse trabalho foi muito bem recebido na comunidade e teve extrema dedicação por parte das crianças. A partir disso, a Royale Academia de Ballet resolveu ampliá-lo. Em 1997, apresentou para a prefeitura de Santa Maria um projeto que propunha abrir 40 vagas para crianças de escolas municipais da cidade. A experiência mudou totalmente o curso da finalidade da Royale. Com a ajuda de professores universitários e pessoas que acreditaram na ideia, nasceu, em 6 de junho de 1998, a Royale Escola de Dança e Integração Social, uma entidade sem fins lucrativos. A finalidade passou a não ser mais só ensinar o ballet clássico, mas também tornar a arte e a educação agentes motivadores no desenvolvimento de potencialidades e na inclusão social, cultural e educacional de crianças, adolescentes, jovens, portadores de necessidades educativas especiais e suas famílias expostas a situações de vulnerabilidade.

Principais resultados apresentados pela Royale em 19 anos de ações:

  • Inexistência de evasão escola
  • Inexistência de alunas com problemas de drogadição, prostituição e gravidez na adolescência
  • Continuidade de estudos no Ensino Médio
  • Dezoito alunas no Ensino Superior
  • Treze alunas formadas no Ensino Superior e com inserções no mercado de trabalho e cursos de pós-graduação
  • Crescente convite para apresentações da Royale

Prêmios recebidos pela Royale

1998: Prêmio Souza Cruz Comunidade Unida, realizada pela Empresa Souza Cruz e Fundação Maurício Sirotsky Sobrinho.
2002: Classificou-se como uma das 30 finalistas, sendo a única representante da Região Sul do Brasil, no Concurso Cidadão 21-Arte, desenvolvido pela EMBRATEL e Instituto Ayrton Senna.
2003: O Prêmio Itaú-Unicef, desenvolvido pela Fundação Itaú Social e pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância, considerou o Projeto da Royale, entre 1.834 projetos de todo o país, um dos 30 melhores projetos do Brasil.
2004: O Projeto desenvolvido pela Royale foi um dos 73 projetos selecionados para apoio técnico-financeiro, entre mais de 6.000 projetos de todo o Brasil, pelo Programa Desenvolvimento e Cidadania Petrobras.
2004: O Projeto da Royale foi aprovado pelo Ministério da Educação, através de Programa desenvolvido pelo FNDE. 2005: O Programa Bovespa Social, desenvolvido pela Bolsa de Valores de São Paulo, selecionou o projeto da Royale para integrar seu Programa.
2005: O Projeto da Royale foi selecionado para participar do Programa Portal Social, desenvolvido pela Fundação Maurício Sirotsky Sobrinho e Instituto Nestor de Paula.
2007: O Projeto da Royale classificou-se como finalista regional no Prêmio Itaú-Unicef.
2008: O Projeto desenvolvido pela Royale foi aprovado no Programa Criança Esperança, realizado pela Rede Globo e UNESCO.
2010: O Projeto da Royale foi selecionado para participar do Programa Educação e Cultura para o Desenvolvimento – Rede Parceria Social, desenvolvido pela Secretaria de Justiça e Desenvolvimento Social do Estado do RS e Fundação Maurício Sirotsky Sobrinho.
2011: O Projeto da Royale foi selecionado no Edital de Incentivo a Projetos Sociais do SESI – RS.
2012: A Royale aprovou seu Projeto na Lei Federal de Incentivo a Cultura, do Ministério da Cultura, que está sendo financiado pelo Banco do Estado do RS (Banrisul).
2013: O Projeto Dança: Movimentos para a Cidadania, da Royale, foi selecionado para apoio técnico-financeiro pelo Programa Petrobras Desenvolvimento e Cidadania.
2014: O Projeto Dança: Movimentos para a Cidadania, da Royale, foi selecionado como Ponto de Cultura do Rio Grande do Sul.
2016: O Projeto Dança: Movimentos para a Cidadania, da Royale, foi selecionado pela Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria.
2017: O Projeto Dança: Movimentos para a Cidadania, da Royale, foi selecionado pela Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria. Deste modo, o desenvolvido de ações artísticas e educativas para crianças, adolescentes, jovens e famílias das periferias da cidade diminui cada vez mais a distância entre o sonho e a realidade, entre a desigualdade e a cidadania, garantindo-lhes o desenvolvimento pleno e cidadão.

Inscreva-se

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *