Ricardo Borges busca dar vida a ‘Flamboyant’, novo álbum, com financiamento coletivo

Desde o álbum Inverso, primeiro trabalho de Ricardo Borges, o músico não parou. De lá pra cá, o sepeense de 25 anos que escolheu Santa Maria para entoar seu canto, acumula quase seis anos de muitas composições e parcerias, cinco álbuns autorais e independentes e uma vontade de jamais estacionar.

 

E é por isso que 2020 começou com novidade que Borges fez questão de espalhar com orgulho: um financiamento coletivo quer dar vida ao sexto álbum do artista. ‘Flamboyant’ é uma parceria com Fernando Saldanha, compositor uruguaianense. A plataforma de financiamento coletivo Catarse  foi a escolha da dupla para buscar recursos e poder remunerar a equipe que está por trás do trabalho:

– Desde o meu primeiro disco, mirava em algum futuro fazer um financiamento coletivo. Antes disso sempre financiei meus álbuns com minhas economias e auxílio de amigos e familiares. Ao longo destes cinco anos, fui me aperfeiçoando para poder trabalhar a divulgação de um financiamento coletivo. Dessa forma também posso retribuir financeiramente quem está trabalhando comigo: produtores, músicos, artistas visuais.

Veja também: Marear, um mergulho na música-arte de Ricardo Borges e Paola Matos

Flamboyant será um álbum com dez músicas. O nome escolhido para o disco faz referência a uma árvore extremamente presente na geografia de Uruguaiana. O projeto nasceu das trocas entre os compositores, que já se conheciam desde que Borges era criança. No início do ano passado a parceria musical começou de maneira concreta. Um em Santa Maria, outro em Uruguaiana, Borges e Saldanha se comunicavam via whatsapp, trocando acordes, ideias e letras.

– Todas as músicas foram escritas ao longo de 2019. O nascimento delas foi um processo bem interessante: eu enviava as melodias, cantando e tocando o violão, e Nandico me enviava as letras em cima da música que eu estava fazendo. De acordo com ele, “as letras estavam todas ali”. Ele só teve que entender o que eu estava cantando, explorar os temas que estavam trazendo aquela música e tirar as letras de dentro – conta Borges.

Ouça ‘Varanda’, de Ricardo Borges

A ideia é que o álbum seja finalizado para ser entregue aos apoiadores até junho deste ano. Os shows de lançamento oficial estão previstos para iniciar em setembro, com apresentações na tríade Uruguaiana – Santa Maria – Porto Alegre, ainda sem data definida. O trabalho ainda leva os nomes e talentos do produtor Cassiano Radke, do contrabaixista Wueliton Dal Pont e as vozes de Leticia Auth.

Em constante composição, sem planejar parar, Ricardo Borges terminou o ano de 2019 com pelo menos dezoito  gravações que ainda serão conhecidas. Entre as parcerias, além de Saldanha, também estão composições com Geison Sommer e o consagrado Vinicius Brum, vencedor de diversos festivais nativistas, destes pelo menos três Califórnia da Canção.

Em menos de 10 dias, a campanha para o novo disco de Borges e Saldanha já arrecadou quase R$ 1.000. A meta é chegar a R$ 6.441 pelo menos até abril deste ano. As contribuições variam de R$ 20 a R$ 4.850 e oferecem como recompensa desde o CD autografado,um show na sua casa e até um violão. Para apoiar, acesse o site catarse.me/apoieflamboyant

Liciane Brun

Jornalista em aprendizado constante e com a alma mesclada entre o amor pela cultura e tudo o mais que trouxer leveza. Encontrou na escrita um pouco de paz. Permite-se a clichês: amar e mudar as coisas interessa mais.

Inscreva-se

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *