Músico Kayke Mello é campeão do primeiro festival virtual nativista do Estado

O músico castilhense Kayke Mello entrou para a história dos festivais do Estado. Kayke recebeu dois prêmios no 1º Ronda Virtual da Canção, primeiro festival online de música regional gaúcha. O resultado foi divulgado na sexta-feira passada, dia 22 de maio.

O artista foi premiado como melhor intérprete e sua composição foi a grande campeã do concurso de músicas inéditas. Ele interpretou “Nestes Tempos de Silêncio”, com melodia própria e letra de Juliano Santos. A milonga foi gravada, em casa, localizada em Santa Maria, em parceria com o instrumentista, Felipe Leal.

A canção também foi premiada na categoria “Melhor Letra”. A obra abordou o momento de reclusão, assim como o valor da união durante o cenário atual.

RESULTADO 

– Primeiro lugar: Nestes tempos de silêncio (Kayke Mello/Juliano Santos)

– Melhor intérprete: Kayke Mello (Nestes tempos de silêncio)

– Melhor letra: Juliano Santos  (Nestes tempos de silêncio)

Quem é Kayke Mello

O campo é o berço de Kayke Mello. Natural de Júlio de Castilhos, interior do Rio Grande do Sul, o artista aprendeu desde cedo a cultivar a história e o respeito pelas origens. Um zelo e apreço que reflete no trabalho com forte referência campeira.Com alma inquietante, o cantor e compositor também é multi-instrumentista e cultiva uma paixão pelos sons do violão. Numa caminhada de mais de 18 anos voltada à cultura gaúcha, Kayke participou de diversos festivais de música e poesia.

Nesta trajetória, ele soma prêmios. Além dos palcos da música, o artista é o atual vice-campeão de Declamação Masculina do 33 Rodeio Internacional de Vacaria. Ele também tem títulos de melhor amadrinhador em consagrados festivais:
Encontro de Artes e Tradição Gaúcha (ENART), Bivaque da Poesia Gaúcha, Sesmaria da Poesia Gaúcha, Tertúlia da Poesia, Rodeio Crioulo Internacional de Vacaria e Celeiro da Poesia.

Recentemente, Kayke Mello trouxe ao público o primeiro álbum de amadrinhamentos para poesia, “Costeando”. No trabalho inédito, ele executa 10 faixas de improvisações para recitar. Em 2014, lançou seu primeiro trabalho solo, intitulado “Herança Campeira”. Já em 2018, apresentou a obra “Terrunhos”, declamando e amadrinhando poesias de seu amigo e conterrâneo, Juliano Santos. O músico ainda tem participação em mais de 20 discos coletivos.

Com informações da assessoria de imprensa – Letícia Sarturi Isaia

Inscreva-se

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *